sexta-feira, 27 de abril de 2018

Primeiro de Maio é Dia do Trabalhador

INTERSINDICAL, instrumento de luta da classe trabalhadora


Próxima terça feira se comemora no Brasil e em diversos lugares no mundo o dia Primeiro de Maio. Poderia ser mais um dia qualquer, mas ele é cheio de simbologia. Principalmente para os trabalhadores.
Primeiro a pergunta; Dia do trabalhador ou dia do Trabalho? É uma dúvida para alguns trabalhadores que precisam ter essa certeza; é Dia do Trabalhador. Para nós, trabalhadores conscientes, a data passa ser além disso. É o dia Internacional de Luta do Trabalhador. Porque somente através da luta a classe trabalhadora consegue avançar em suas conquistas. E uma delas é a redução da jornada de trabalho para 8 horas. Reduzir essa data simbólica à uma simples comemoração efusiva, dá uma conotação distante do que o dia representa. 

História do Dia do Trabalhador
A História do Dia do Trabalhador tem origem com um evento acontecido no ano de 1886 na industrializada cidade de Chicago (Estados Unidos). No dia 1º de maio daquele ano, milhares de trabalhadores foram às ruas reivindicar melhores condições de trabalho, entre elas, a redução da jornada de trabalho de treze para oito horas diárias. Neste mesmo dia ocorreu nos Estados Unidos uma grande greve geral dos trabalhadores. Naquele dia as manifestações movimentaram a cidade, causando a ira dos poderosos. A repressão ao movimento foi dura, com prisões, pessoas feridas e até mesmo trabalhadores mortos nos confrontos entre os operários e a polícia.


Ilustração:  Repressão Policial contra os trabalhadores em Chicago/EUA.

Três anos mais tarde, no dia 20 de junho de 1889, a segunda Internacional Socialista reunida em Paris decidiu convocar anualmente uma manifestação com o objetivo de lutar pela jornada de 8 horas de trabalho. A data escolhida foi o primeiro dia de maio, como homenagem às lutas sindicais de Chicago. Em 1º de maio de 1891 uma manifestação no norte de França foi dispersada pela polícia, resultando na morte de dez manifestantes. Esse novo drama serviu para reforçar o significado da data como um dia de luta dos trabalhadores. Meses depois, a Internacional Socialista de Bruxelas proclamou esse dia como dia internacional de reivindicação de condições laborais.
A luta pela jornada de 8 horas ganhou novos impulsos com o surgimento de organizações dos operários, a nível nacional e internacional. Desde os primeiros Congressos da Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT), fundada em Londres em 1864 por iniciativa dos operários franceses e ingleses, a reivindicação da redução da jornada de trabalho, fazia sempre parte das suas  pautas em Congressos e Conferências dos trabalhadores.
Bom lembrar que até o hoje os Estados Unidos se negam a reconhecer a data de 1º de Maio como Dia do Trabalhador. Ela é comemorada na primeira segunda feira do mês de setembro como "Dia do Trabalho".  Em 1890, a luta dos trabalhadores estadunidenses conseguiu que o Congresso aprovasse que a redução da jornada de trabalho - de 16 horas para 8 horas diárias.
Fatos importantes relacionados ao 1º de maio no Brasil:
- Em 1º de maio de 1940, o presidente Getúlio Vargas instituiu o salário mínimo. Este deveria suprir as necessidades básicas de uma família (moradia, alimentação, saúde, vestuário, educação e lazer).
- Em 1º de maio de 1941 foi criada a Justiça do Trabalho, destinada a resolver questões judiciais relacionadas, especificamente, as relações de trabalho e aos direitos dos trabalhadores.

Atos e Manifestações no dia 1º de Maio

Na cidade de Campinas haverá ato unificado, organizado pelo Sindicato dos Metalúrgicos.
9h - Concentração na Sede Central do Sindicato dos Metalúrgicos - R. Dr. Quirino, 560 - Centro, Campinas - SP.
10h30 - Ato na Catedral junto com outros Sindicatos, Centrais Sindicais e Movimentos Populares 

Em São Paulo o primeiro de maio haverá diversas manifestações pela cidade;
- Na Praça da Sé, às 9h na catedral, missa em homenagem aos Trabalhadores e, em seguida, às 10h, ato promovido pela Pastoral Operária e diversos movimentos sociais e sindicatos combativos da cidade.

O 1º de Maio celebra a Luta e a Resistência da Classe Trabalhadora. A PRAÇA DA SÉ em SÃO PAULO tem sido palco da resistência contra os ataques dos governos que se revesam no poder a serviço das classes domanites. Assim foi no histórico enfrentamento de 1968 contra a ditadura Militar e o Peleguismo sindical e assim será em 2018 para brecar o avanço das forças reacionárias que promoveram o Golpe político no Brasil em 2016, rasgaram às leis trabalhistas e ameaçam a democracia o direito a livre manifestação e a organização da Classe Trabalhadora.
Em tempos como estes que estamos vivendo é preciso unificar a luta em defesa dos direitos democráticos e das bandeiras históricas da classe trabalhadora.
NÓS TRABALHADORAS E TRABALHADORES (Independente de correntes sindicais ou partidárias) REAFIRMAMOS A IMPORTÂNCIA DE CELEBRAR OS 50 ANOS DO HISTÓRICO ATO DE 1968 DA PRAÇA DA SÉ E SEGUIR EM MARCHA PARA O ATO UNIFICADO NA PRAÇA DA REPUBLICA!

- Na Praça da República, região central da capital, envolvendo a Frente Brasil Popular e a Frente Povo sem Medo. O ato político e as apresentações artísticas ocorrerão a partir das 12h. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário